VI Congresso Brasileiro de Fisioterapia Funcional

Apresentação

VI Congresso Brasileiro de Fisioterapia Neurofuncional

É com imensa satisfação que venho a público convidar você que se interessa em discutir o bem-estar de pessoas que se ajustam com dificuldade em um mundo concebido para pessoas que andam sobre as próprias pernas, enxergam com seus olhos, escutam com seus ouvidos, falam pela emissão do som de suas cordas vocais, comunicam-se em um padrão socialmente aceitável e possuem um nível cognitivo dentro do que é exigido pelas instituições sociais. Estou me referindo ao bem-estar das pessoas com deficiência física, sensorial, intelectual ou mista, o grande público alvo das ações do fisioterapeuta neurofuncional.

Se você ainda não participou de um COBRAFIN – Congresso Brasileiro de Fisioterapia Neurofuncional, não perca esta oportunidade, pois já estamos em nossa sexta edição que acontecerá na capital do país em um período que, a mesma hostilidade do clima seco e árido que desencadeia grande esforço para todos que estão nesse bioma, é o desencadeador da beleza e diversidade que se encontra por aqui, consequência justamente da superação desse esforço. Iremos simbolizar essa mensagem por meio da capacidade espetacular da florada dos ipês que acontece no período de realização do Congresso.

 Como sócio-fundador que presenciou o surgimento da ABRAFIN – Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional – acompanhei de perto o crescimento desse evento que alcançou dimensões continentais e hoje representa com muita legitimidade o trabalho criterioso de todos os fisioterapeutas brasileiros que dedicaram e dedicam suas vidas para esse nobre propósito, o de promover o bem-estar de pessoas que sobreviveram a eventos que modificaram o funcionamento do seus sistema nervoso e que desbravam esforços para superar um mundo construído para pessoas com um sistema nervoso íntegro.

Como professor pioneiro e protagonista da criação do curso de Fisioterapia da Faculdade de Ceilândia da Universidade de Brasília e, atualmente líder do NTAAI – Núcleo de Tecnologia Assistiva, Acessibilidade e Inovação – fui testemunha da transformação nos modelos assistenciais para atenção à saúde de pessoas cujo estado de saúde sofre a influência de doenças neurológicas congênitas, adquiridas na maturação do sistema nervoso, na vida adulta ou mesmo na velhice. Testemunhei nessa minha trajetória de já 21 anos a mudança da lógica de se tratar doenças para a de se promover a funcionalidade, uma inspiração para o tema do VI COBRAFIN: Da fisioterapia neurológica à neurofuncional: novas abordagens para necessidades antigas e desafios atuais.

Na definição do tema que foi gerador de toda a programação cuidadosamente arquitetada, partimos do pressuposto de que a deficiência neurofuncional não está centrada na pessoa, mas sim no ambiente que não foi concebido e não está preparado para ela. Assim, enquanto não temos um mundo construído segundo o projeto universal (universal design), buscaremos por meio de desenvolvimento de tecnologias diagnósticas, profiláticas, terapêuticas e assistivas, soluções para superar as deficiências do mundo e permitir que pessoas ditas com deficiência possam viver sem limites. Convido você a fazer parte disso!

Centrado então na transição do modelo assistencial biomédico (saúde como ausência de doença) para o modelo biopsicossocial (o melhor estado de saúde independente da condição de saúde apresentada), o presente congresso tem a intenção de discutir as novas abordagens assistenciais com foco na promoção do bem-estar conforme preconizado nas mais atuais discussões promovidas pela Organização Mundial da Saúde.

Em sua organização temática, manteve a matriz referencial teórica das condições de saúde neurologicamente determinadas, porém reorganizadou pelos níveis de complexidade da assistência um direcionamento com percursos temáticos para todos os gostos. Você poderá escolher traçar um percurso temático para cada ciclo da vida do ser humano de seu interesse (reprodução, concepção, desenvolvimento infantil, escolar, social, trabalho, maturidade e velhice), bem como para distintas situações comunitária (atividade e participação).

Incluímos na programação a Fisioterapia Neurofuncional baseada em evidências científicas que comemora 21 anos de plataforma PEDro – a base de dados em evidência genuína em fisioterapia. Além do tradicional rigor científico presente nas edições anteriores do COBRAFIN, implementamos a programação com oficinas para produção de ideias inovadoras. A aplicação dessa abordagem possui o potencial de transformar necessidades/problemas em produtos. Trabalharemos nas oficinas necessidades/problemas reais vividos por profissionais que serão propulsores de inovações diagnósticas, bem como cenário para se prospectar prognósticos de intervenção, com a possibilidade de se pensar a inovação em produtos de intervenção profilática e terapêutica.

Incluímos também a proposta de se pensar o bem-estar para pessoas com deficiência favorecido por modificações no ambiente, explorando a temática da Acessibilidade e Tecnologia Assistiva para produtos de assistência de longa permanência, bem como para a prática do esporte para pessoas com deficiência, inspirados na garra dos atletas paralímpicos brasileiros, exatamente no ano das Paralimpíadas. Percebam que também tomamos o cuidado de fazer o nosso evento acessível, para que a pessoa com deficiência não seja somente o tema de discussão, mas também partícipe no nosso grandioso evento.

Explorando a experiência dos cinco COBRAFINs que nos antecederam, com o inestimável e valioso apoio da ABRAFIN que começa a atingir a marca de mil associados, em 2020, o VI COBRAFIN estará repleto de novidades e se abre às equipes interprofissionais. Dentre as novidades, lançaremos o I Simpósio Internacional de Saúde Funcional, além de promover a segunda edição bem-sucedido Congresso Internacional da Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional, escolhendo nomes de destaque no mundo para participar conosco desse evento.

E não paramos por aí! Queremos ainda que você seja motivado a desenvolver planos de negócios empresariais que lhe gere renda, produza riqueza e modifique esse mundo que se configura como obstáculo para o alvo direto das nossas ações: a pessoa com deficiência. Por essa razão, estruturamos um pavilhão de exposição e negócios pleno em possibilidades que vão além do que podemos fazer como fisioterapeutas assistenciais, explorando nossas capacidades empreendedoras e produtivas.

Outra novidade é que nos tornamos mais interprofissionais, visto que a amplitude de discussões que alcançamos necessita de trabalho colaborativo. Assim, esse congresso também interessa a você que não é fisioterapeuta: pessoa com deficiência, empresário, gestor e profissional que também contribui para a nobre missão de promover o bem-estar de uma população cuja deficiência do mundo não pode esconder o potencial latente de suas vidas, ainda que marcada pela deficiência. Todos vocês serão muito bem-vindos.

Por fim, queremos que você também descubra que Brasília não é somente um centro político que hospeda nossa capital federal. Em nossa programação cultural pretendemos difundir nossa gastronomia, nossas belezas naturais e nossa cultura. Assim, atrelamos ao evento científico um rico conteúdo cultural regional que explora a florada dos ipês já mencionada no período de seca no Cerrado que coincide com a realização do Congresso. Em nosso evento, cada florada de ipê representa uma descoberta ou redescoberta das práticas assistenciais promovidas pela Fisioterapia Neurofuncional. Ainda nessa intenção, transformamos o Centro de Convenções Brasil 21 em espaços que lembram o bioma e as frutas do Cerrado. Queremos que você tenha uma experiência inesquecível!

Para finalizar, enquanto paulista de nascimento, mas naturalizado candango em 11 anos de morada, trabalho e dedicação à Brasília, sinto-me honrado em recebê-los no maior evento com potencial para transformar vidas dificultadas por um mundo deficiente. Assim, venha compartilhar conosco suas ideias, seu trabalho e seu conhecimento que irá resultar em significativa melhora do bem-estar das pessoas com deficiência de origem neurofuncional.

Nos vemos na próxima florada de ipês em 2020!

Dr. Emerson Fachin Martins
Presidente do VI COBRAFIN